Fatos e Dados

Tesourômetro na Universidade Federal
do Rio de Janeiro:
Painel eletrônico revela que cortes nos orçamentos de universidades, ciência e tecnologia equivalem a perdas de até meio milhão de reais por hora

Instalação de contador e evento que reúne reitores, professores, alunos e representantes de institutos de pesquisa marca lançamento da campanha Conhecimento Sem Cortes

Rio de Janeiro, 22 de junho de 2017 - Um painel eletrônico apelidado de “tesourômetro” foi inaugurado esta manhã no campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) da Praia Vermelha, na Zona Sul do Rio de Janeiro, para mostrar ao público, minuto a minuto, o impacto em reais (R$) dos cortes de financiamento federal para as áreas da ciência, tecnologia e humanidades de 2015 a 2017, tendo como referência o orçamento federal aprovado para 2015.

A instalação do painel marca o lançamento da campanha de mobilização social Conhecimento Sem Cortes, uma iniciativa que reúne cientistas, estudantes, professores, pesquisadores e técnicos de universidades e institutos públicos para denunciar o desmonte das universidades e instituições de pesquisa que vem sendo promovido com as drásticas reduções no orçamento das áreas de ciência, tecnologia e humanidades. O avanço dos cortes pode ser acompanhado também pelo tesourômetro online no site conhecimentosemcortes.com.br

De acordo com os cálculos realizados pelo economista Carlos Frederico Leão Rocha, professor do Instituto de Economia da UFRJ e vice-presidente da Associação dos Docente da UFRJ (Adufrj-SSind), os cortes deste ano serão de R$ 4,3 bilhões  . Esse número esmiuçado significa uma perda de quase R$ 12 milhões por dia, R$ 500 mil por hora ou mais de  R$ 8 mil por minuto. Essas reduções significam que uma perda de cerca de 50% do total de financiamento para a produção de conhecimento nesses dois anos.  

Para chegar a este total, os cálculos incluíram montantes de cortes no orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), das Universidades Federais (inclusive Institutos Federais) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) - sem incluir os salários e outros gastos obrigatórios (veja tabelas abaixo para mais detalhes).

“A instalação do tesourômetro dá início a uma série de atividades de engajamento e discussão que vamos promover dentro e fora dos muros das universidades e instituições de pesquisa para mostrar como os cortes de investimentos afetam de forma negativa os mais diversos setores da sociedade”, diz Tatiana Roque, presidente da Adufrj.

A campanha Conhecimento Sem Cortes vai dialogar e buscar apoio da população para pressionar o governo federal a garantir condições plenas de funcionamento das universidades e instituições de ensino e pesquisa. “Queremos valorizar os frutos dos investimentos em pesquisa, nas suas diversas áreas, e destacar como são essenciais no dia-a-dia das pessoas, mesmo que muita gente não se dê conta”, completa Tatiana, lembrando de descobertas importantes para o desenvolvimento econômico e social do país realizadas por cientistas brasileiros, como a correlação do zika vírus com a microcefalia ou a contagem precisa do número de neurônios do cérebro humano.

O lançamento público da campanha acontece também nesta quinta-feira, a partir das 18 horas, em um evento aberto na Casa da Ciência da UFRJ, reunindo representantes de instituições do conhecimento diretamente atingidas pelos cortes. Tatiana Roque, presidente da Associação dos Docente da UFRJ (Adufrj-SSind); Helena Nader, presidente da SBPC; Roberto Leher, reitor da UFRJ; Nisia Trindade, presidente da Fiocruz; e Jerson Lima Silva, diretor da Faperj farão apresentações sobre os impactos já sofridos em função da redução dos orçamentos em suas instituições.

Para Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que participa das atividades de lançamento da campanha, os impactos dos cortes que já estão sendo sentidos pelos cientistas hoje serão ainda mais percebidos pela sociedade no longo prazo. “Esses cortes ameaçam o futuro das novas gerações. As perdas para a sociedade são irreversíveis”, conclui.

Cálculos do Tesourômetro

Tabela 1 – Orçamento Federal para a Produção de Conhecimento (CAPES, MCTI e Universidades Federais) – Despesas não obrigatórias

  Milhões R$ aos preços de 2017

2015

26749

2016

17570

2017

13356

 

Tabela 2 – Cortes anuais no orçamento da produção de conhecimento

Perdas em relação ao orçamento de 2015

Em milhão R$

   
Acumulado de 1/1/2015 até  31/12/2016

9179

Acumulado de 1/1/2015  até 22/06/2017*

11176

Acumulado de 1/1/2015 a  31/12/2017

13393

*Data de lançamento do tesourômetro

Tabela 3 - Cálculos detalhados

Perdas

Em milhares

Por dia

11544

Por hora

481

Por minuto

8